quinta-feira, setembro 30, 2010

Por uma nova ética direcionada aos animais

Defensores dos direitos dos animais se aprisionam em jaulas em protesto no Dia Mundial dos Direitos dos Animais, em Madri. Fonte:Folha On line.

Um dos temas a gerar maior reflexão nos dias atuais é saber qual o limite da "utilização" dos animais pelo homem. É saber, em outras palavras, se não há limites éticos a dizer com o tratamento e a sujeição dos animais a práticas que lhes infligem sofrimento e qual a justificativa e a legitimação para balizar tais limites.

Essa discussão vai agora judicializada na comarca do Rio Grande/RS com o manejo da ação civil pública que pode ser compulsada aqui, movida contra a FEPAM e contra empresa de exportação de gado a postular a suspensão imediata dessas atividades ao menos até que estabelecidas balizas mínimas a evitar o sofrimento dos animais. 

Aguardemos a ver o que dirá o Poder Judiciário.

13 comentários:

  1. Parabéns ao Ministério Público na pessoa do Dr. Alan por mostrar-se sensível aos apelos em prol dos animais. Vê-se que a propositura da Ação demandou bastante tempo de trabalho e é de uma atitude corajosa perante certos setores da sociedade que só sabem pensar no lucro acima de tudo. Nós animais humanos, precisamos urgentemente aprender a olhar o mundo de outra forma.
    Márcia Chaplin GAE Rio Grande

    ResponderExcluir
  2. Admirável, parabéns. Nos últimos tempos tenho visto o Ministério Público aqui de Rio Grande agindo, coisa que há um tempo atrás, quando era composto por outros nomes, não se via. As ações com relação ao transporte público, aos animais de rua e agora esta sobre a exportação de gado nos fazem ver que agora a parcela menos favorecida da população e também aqueles que não são humanos, (e que portanto não tem voz para gritar por justiça e respeito aos seus direitos) terão na figura do Ministério Público um parceiro na luta de suas causas.
    Que Deus abençõe o trabalho que é justo!

    ResponderExcluir
  3. Caro Doutor José Alexandre Zachia Alan,

    Como pesquisadora do grupo de estudos dos Direitos dos Animais, do Laboratório de Estudos sobre a Intolerância (LEI), da Universidade de São Paulo, gostaria de parabenizá-lo pela conduta ética e corajosa que teve ao afrontar interesses de grupos econômicos poderosos em favor de animais que são tratados de forma cruel. Já pesquisei e estudei muito a situação dos animais transportados vivos para serem abatidos em outros países, e, por isso mesmo, sinto-me em condições de afirmar, sem hesitar, que essa prática, que provoca dor e sofrimento consideráveis, deveria cessar. Sua atuação, sem dúvida, contribuirá para isso.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, Dr. Alan pela coragem para exercer esse excelente trabalho junto ao Ministério Público.Muito se faz necessário dar um basta a exportação de gado vivo, sendo este considerado o pior desrespeito com a vida animal pelos órgãos competentes em etologia e bem-estar como a WSPA.
    Bruna Ribas - GAE/Rio Grande

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, Dr Alan. A seriedade e a coragem que demonstra ao tratar dessa questão farão com que muitos reavaliem seu posicionamento e atitudes (ou falta delas!)em relação a esses animais.
    Não desanime.

    Jaqueline Viana - Professora
    Petrópolis - RJ

    ResponderExcluir
  6. Parabéns Dr. Zachia Alan, pela sensiblidade a causa animal e por querer a mudança. Os animais também têm os seus direitos. É tempo de mudarmos velhos paradigmas com relação ao nosso próximo, que são os animais.Encampemos esta luta...
    Swami Fonseca - Bióloga e professora
    Rio Grande/RS

    ResponderExcluir
  7. Parabéns ao Dr. Zachia Alan, que tem coragem de lutar pelos que mais necessitam, sejam seres humanos ou animais. Que Deus dê força a ele para continuar esse belissímo trabalho aqui em Rio Grande.

    Lisandra - Funcionária pública e economista

    ResponderExcluir
  8. Nós, do Grupo pela Abolição do Especismo, congratulamo-nos com a atitude do MP Rio Grande. Para nós, o limite de utilização dos animais pelo homem é bastante claro: o absoluto limite. Entendemos que, por serem seres sensíveis como nós, portadores de sentimentos e sensações, devem ter direito à liberdade e à integridade. Agradecemos o esforço que, torcemos, deverá se encaminhar a este propósito de eliminar o uso de animais.

    ResponderExcluir
  9. Um Ministério Público atento ao clamor da sociedade, dedicado a suas áreas de competência, atualizado em relação a novas demandas e corajoso ao enfrentar grupos poderosos e perigosos... temos do que nos orgulhar neste país que às vezes nos decepciona tanto.
    Maria de Nazareth, professora de antropologia jurídica

    ResponderExcluir
  10. Sou Vera Lucia, advogada, e protetora undividual dos animas. Recebo com muita alegria esta noticia, pois foi uma batalha muito importante para eles, que pensei não fosse prosperar, pois todos veem este animais como "panela", e que na realidade são como nós, tem sentimentos, sofrem, vem do mesmo lugar que nós e vão para o mesmo lugar, tem o mesmo sopro de vida que nós, consoante escrito em eclesiastes 3, versiculo 18, nosso Livro maior a Bíblia. Parabens a todos, e que Deus abençoe a todos os animais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. nelson fontes ferreira29 de março de 2012 17:10

      Concordo plenamente Vera!!!! Que Deus te abençoe.

      Excluir
  11. Parabéns pela luta de todos nós, e de modo muito especial, pela coragem da decisão judicial. Trata-se de mais um pequeno mas essencial passo em direção às transformações globais que necessitam ser feitas.

    José A. V. Flores (Rio Grande)

    ResponderExcluir
  12. Prezado Dr. José Alexandre Zachia Alan, eu como cidadã não poderia deixar de registrar o meu respeito e admiração pela sua atitude em relação a essa causa, pois muitos só se preocupam em defender os interesses econômicos e banalizam as práticas que levam ao sofrimento dos animais, visando apenas o lucro. Pergunto-me aonde iremos parar desrespeitando a natureza, não combatendo os crimes ambientais e não ensinando a nossos filhos a serem pessoas sensíveis e não máquinas de consumo.Em minha opinião já é hora dos órgãos públicos se pronunciarem e frearem todo esse processo cruel que só traz indignação!

    ResponderExcluir

Ocorreu um erro neste gadget